Espreguiçadeira não é peça de decoração

Espreguiçadeira não é peça de decoração
Pense em um móvel indispensável para sacadas, varandas e terraços. Se o que veio à memória é uma espreguiçadeira, a resposta está certa. Em madeira, plástico ou qualquer outro material, essa cadeira especial ajuda a relaxar nos dias estressantes ou torna-se um espaço perfeito para tirar aquele cochilo após o almoço de domingo. É útil também para mães que estão amamentando e ainda funcionam bem para tornar o ambiente aconchegante. Mas lembre-se: espreguiçadeiras não são peças de decoração. Por isso, dê trabalho a elas.
 
 
Ainda que funcionem como elementos coringas para decoradores e arquitetos de interior, principalmente na composição de jardins, as espreguiçadeiras se adaptaram para ocupar espaços menores. Deixaram de ser móveis monolíticos, para ganhar design e articulações que permitem ser guardadas quando não estão em uso. Também agregaram materiais nobres, como aço inox, e materiais sustentáveis, como plástico reciclável. Isso faz com que o equipamento seja, hoje, acessível a qualquer classe social.
 
Da laje às varandas mais sofisticadas, a espreguiçadeira agrega-se cada vez mais à decoração brasileira. A versatilidade e o conforto oferecido pelo móvel é que garantem essa boa aceitação. Em alguns casos, ele é usado até como cama auxiliar. Por isso, não importa a função que a espreguiçadeira irá cumprir. Seja para meditar, relaxar ou dormir, o que ela quer é trabalhar.

 

Voltar